Cuidados, Dicas e Notícias
7 dicas sobre pets na piscina (21/09/2020)

Quando chega o verão, ou até mesmo nos dias quentes fora de época, a gente começa a ter aquela vontade de cair na piscina e se refrescar com a família e os amigos, não é mesmo? Agora imagine aquela família que possui um ou mais animais de estimação... como as pessoas lidam com esses bichinhos na piscina?

É certo que, naturalmente, os cuidados com seu pet devem ser constantes, mas se você tem uma piscina precisa ter em mente que muitos deles também gostam de água e, geralmente, não percebemos que sua anatomia muitas vezes não se adapta à estrutura da piscina ou ao entorno dela; o que pode facilitar acidentes.

Por isso serparamos 7 dicas pra te manter informado sobre como você pode agregar esses membros da família tão incríveis a esse momento especial. Vamos lá?!

Não deixe o cão beber água da piscina

Uma brincadeira sadia e divertida também é cansativa e o dog poderá sentir sede e, com isso, beber a água que estiver mais perto. Mas se a água da piscina quando ingerida não estiver com o residual de Cloro adequado, poderá conter fungos, bactérias, vírus, protozoários e cloraminas. Assim como pode fazer mal aos humanos, também pode fazer o cão vomitar ou ter diarreia. Se isto ocorrer e o quadro se agravar, leve o bichinho ao veterinário.

Atente-se ao cansaço

É muito comum pets que morrem afogados por conta de exaustão. Mas isso é mais comum quando não tem ninguém por perto. Bom, o cansaço é um sinal importante e o pet não vai percebê-lo até que seja tarde demais. Por isso, você deve estar atento e retirar o bichinho da piscina ao primeiro sinal de fadiga. Mantenha-o fora da água por um tempo, sente-se com ele para descansar e permita que ele volte à água só depois de estar mais calmo.

Não arremesse seu pet na piscina

Além do risco óbvio de provocar acidentes com lesões, jogar o pet na água da piscina também traz transtornos traumáticos por conta do susto. Essa brincadeira de mal gosto não é boa com humanos, então não deve ser boa para os bichinhos também.

E não se esqueça do protetor solar

Pode parecer estranho, mas apesar de contar com um revestimento na maioria da vezes espesso de pelos, os cães possuem áreas mais vulneráveis à exposição dos raios do sol, como orelhas e focinho que podem sofrer com queimaduras. Hoje já há protetores solares próprios para pets e não custa se precaver… Bem, custa, mas vale a pena cuidar, não é?

Instale uma escadinha para cães

Um dos grandes problemas dos cães nas piscinas é o fato de algumas raças não conseguirem sair sozinhos delas, por conta da estrutura de bordas e escadas de alumínio que foram projetadas para a anatomia humana. Desse modo, já inventaram vários modelos de escadinhas e rampas que são acopladas a escadas de alumínio ou à borda das piscinas e ajudam o pet sair da água com mais facilidade. Se estiver projetando sua piscina, insira uma rampa ou uma escadinha na sua estrutura.

Pet na piscina só com a saúde em dia

Assim como acontece com a gente, os cães também precisam estar em dia com todos os cuidados contra verminoses intestinais, doenças de pele ou qualquer outra complicação de saúde que possa ser transmissível na água.

Capa ou cercado

Quando falamos em prevenção de acidentes, precisamos levar em conta que os pets não pensam como nós e não antecipam eventuais acidentes como nós. Se você tem piscina em casa e vai deixar o pet sozinho com toda essa água pra se esbaldar, precisa se certificar de controlar o acesso do bichinho à piscina enquanto estiver fora. Uma cobertura de lona bem firme sobre a piscina é uma das dicas, outra possibilidade é cercar a área da piscina de modo que o pet não possa pular ou impedi-lo de acessar essa área de algum modo.

Assine nossa Newsletter
Mapa do Site